segunda-feira, 13 de junho de 2011

Santo Antonio, padroeiro do Recife

Santo Antônio é o padroeiro oficial do Recife, e ao que parece não foi demitido. Nossa Senhora do Carmo foi elevada a Excelsa Padroeira quase 300 anos depois do santo ser o soberano na proteção da cidade. E muita gente equivocada pensa que sua matriz é a chamada "Igreja de Santo Antonio". Essa, na verdade é a Igreja do Santíssimo Sacramento, da paróquia do mesmo nome.
.
A imagem original fica alojada em um nicho ao lado esquerdo do altar-mor, na Rua do Imperador, onde situa-se o Convento e Igreja de Santo Antônio do Recife. São edificações religiosas pertencentes à Ordem Franciscana, integrando um conjunto de edifícios, dos quais fazem parte além do Convento e da Igreja, a Capela Dourada e o Museu Franciscano de Arte Sacra. O Convento Franciscano de Santo Antônio é uma das construções mais antigas ainda existentes na cidade do Recife. Cujas origens remontam a 28 de outubro de 1606, "data em que os frades resolveram erguer um convento na Ilha dos Navios para atender à população próxima ao porto. A ilha mais tarde veio a receber o nome de Ilha de Antônio Vaz, e desenvolveu-se no atual bairro de Santo Antônio".
.
A devoção a Santo Antônio vem de Portugal, quando para o Brasil vieram os primeiros colonos. Em Lisboa, terra do santo, é a festa mais popular, cuja patronesse foi decretada por breve do papa Pio XI, como segundo padroeiro das terras lusas, em 1934, coadjuvando Nossa Senhora da Conceição.

A hegemonia do culto a Nossa Senhora do Carmo, no Recife, tem origens históricas a partir do século XVII, quando a primeira festa dedicada a ela se realizou em 1584. Isso acontece a partir da fundação do convento do Carmo em Olinda, em anexo da Igreja de Santo Antonio, erguida sob vetusta capelinha onde os primeiros carmelitas se estabeleceram.

Em 1909, a Virgem do Carmo foi proclamada a Excelsa Padroeira do Recife pelo papa Pio X, sendo Arcebispo de Olinda dom Luis Raimundo da Silva Brito (1901-1915).
Santo Antônio de Pádua é tão conhecido por seu nome de ordenação que chamá-lo pelo nome que recebeu no batismo parece estranho: Fernando de Bulhões e Taveira de Azevedo. Além disso, ele era português: nasceu em 1195, em Lisboa. De família muito rica e da nobreza, ingressou muito jovem na Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho. Fez seus estudos filosóficos e teológicos em Coimbra e foi lá também que se ordenou sacerdote. Nesse tempo, ainda estava vivo Francisco de Assis, e os primeiros frades dirigidos por ele chegavam a Portugal, instalando ali um mosteiro.
Conta a tradição que Antônio levou o Evangelho até a África, onde fez os primeiros milagres. Morreu em Pádua, Itália, em 13 de junho de 1231.

Fontes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário